Seguidores

Roberto Vascon - uma história de superação

Nesse começo de ano é sempre bom repensar a vida, se analisar e ver o que podemos melhorar pra fazer desse ano um ano melhor porque, como sabemos, a mudança começa dentro de nós e se não mudamos continuamos paralisados, inertes, só vendo a vida passar e de repente ela acaba sem que a gente sequer perceba.
Por isso eu hoje quero compartilhar uma linda e emocionante história de vida com vocês, a história do brasileiro Roberto Vascon.
Resultado de imagem para roberto vascon
Roberto Vascon nasceu pobre, mineiro, seu pai era alcoólatra e ele nunca pôde estudar porque teve que trabalhar desde cedo para ajudar a manter a casa.
Ele conta que sempre teve uma ligação muito forte com Deus e em uma de suas orações pediu: “Deus me ajuda, me ilumina. Eu não tenho outra coisa na vida senão você." e prometeu "Tudo que você me der, eu não vou levar para o cemitério, pra cova. Enquanto eu estiver vivo eu vou ajudar o ser humano”.
O impressionante dessa história começa quando Roberto, ainda adolescente, foi pra o Rio de Janeiro. Ele lavava carros para sobreviver e chegou a passar fome até que conheceu Cazuza que o ajudou a conseguir um emprego como vendedor de roupas.
Acontece que certo dia Roberto encontrou um homem estrangeiro com um jornal do The New York Times e desde então ele decidiu que iria para os Estados Unidos.
Com quase nenhum dinheiro no bolso, Roberto conseguiu milagrosamente ir legalmente para os Estados Unidos e sem nenhum dinheiro acabou ficando pelas ruas dormindo por 4 meses num banco do Central Park. Lá ele conheceu uma mendiga que o ensinou a falar inglês.
A vida continuava muito difícil para Roberto então ele teve outra conversa com Deus. Ele conta que reclamou da vida que estava levando, com frio, fome, sede, saudades da mãe, e disse que estava cansado, pediu para Deus “levá-lo embora”.
Naquela mesma noite ele teve um sonho que mudou a sua vida completamente.
Roberto Vascon sonhou com milhares de pássaros. Ele “balançava os galhos das árvores onde eles estavam e voavam bolsas”.
No dia seguinte ele catou muitas latinhas, juntou 80 dólares e comprou peças de couro, linha e agulha e começou a costurar no Central Park, suas 12 primeiras bolsas, parecidas com as do sonho.
Coincidentemente, ou não, passou sua primeira cliente: uma moça que perguntou se as bolsas eram da Itália.
Ele não sabia, mas era a editora-geral de moda do jornal The New York Times, Nancy H.
Na conversa ela descobriu que Roberto nunca tinha ido à escola e mesmo assim fazia bolsas incríveis.
No meio do papo, Roberto disse que precisava trabalhar, porque estava com fome e não poderia mais conversar com a cliente.
Ela, então, disse:
– Se eu comprar as 12 bolsas você conversa comigo?
– Claro, a noite inteira, disse Roberto.
Mais do que mostrar o produto para as amigas, a jornalista escreveu sobre a história dele e disse que as bolsas de Roberto tinham uma energia diferente.
Foi o trampolim para o mundo da moda e a vida de Roberto Vascon nunca mais seria a mesma.
De catador e mendigo ele se transformou em um dos mais famosos designers do mundo da moda de bolsas.
“Eu tenho uma fé muito grande. Eu peço pra Deus: vou ajudar alguém e você me ajuda a sobreviver”, diz Roberto.
E ele conseguiu tudo o que queria.
Comprou um apartamento nos Estados Unidos e realizou o sonho de dar uma casa para a mãe dele aqui no Brasil.
Em seguida voltou para os Estados Unidos montou 7 lojas e abriu outra no Japão.
Já muito rico, no dia 2 de agosto 1993, dia do aniversário dele, Roberto estava sozinho. Ninguém ligou para cumprimentá-lo.
Naquela noite ele teve nova conversa com Deus: “lembra que eu te falei que eu ia te devolver tudo? Chegou a hora”.
Com milhões de dólares, Roberto fechou todas as lojas, vendeu tudo o que tinha e saiu mundo à fora.
Foi conhecer 128 países e ajudar as pessoas por onde passava.
Ajudou gente que não tinha perna, pessoas que não podiam estudar, pagou faculdades para alunos, mesmo sendo uma pessoa que não pôde estudar.
Assim, viajando, passeando, aprendendo culturas diferentes e ajudando as pessoas, toda sua fortuna acabou.
Na pobreza novamente, Roberto voltou ao Brasil, onde conta que foi mal recebido.
Ele vendeu então um anel da Cartier que tinha, comprou uma passagem para Nova York e foi dormir novamente no Central Park.
Dias depois uma moça passou por ele e disse: “nossa, você parece com o Roberto Vascon!”
Ele disse que era ele mesmo e contou que vendeu tudo o que tinha, mas que hoje era “o mais culto do Central Park”.
O que Roberto não sabia é que essa moça também era jornalista.
Ela vendeu a nova história do mendigo/designer para o New York Times e 2 dias depois a vida de Roberto Vascon daria outra reviravolta: ele conseguiu comprar outra loja e recomeçar a vida como designer de bolsas.
Hoje, famoso e rico ele continua ajudando as pessoas anonimamente.

Ensinamento
“Me coloque na vida de pessoas que eu possa fazer a diferença. Que as pessoas possam pegar a minha história e dizer: a minha também tem jeito. A vida é você acreditar em você mesmo. Eu acredito no meu potencial, na minha bondade, gentileza, na minha fé! Eu acredito nisso tudo e isso tudo me faz ir pra frente”, ensina Roberto Vascon.

Com fé em Deus, força e garra, tudo é possível.
 Sem mais palavras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita!
Deixe aqui seu comentário!

Atenção!!

Veja abaixo as nossas permissões e restrições a respeito do uso de nossas criações, passo a passo e vídeo aulas, fotos, vídeos e todo o nosso trabalho sob qualquer forma de divulgação.
SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS, PERMISSÕES E RESTRIÇÕES:

É PERMITIDO vender as peças que aprender com minhas aulas.

É PERMITIDO fotografar a peça que aprendeu com minhas aulas e postar nas redes sociais. Ajude a divulgar minhas aulas postando o link da aula onde aprendeu a peça comigo porque assim você me ajuda e eu vou poder continuar compartilhando com vocês as aulas das minhas criações em crochê.
Use a #juensina #aprendicomaju para que eu possa prestigiar seu trabalho, curtir e comentar.

NÃO É PERMITIDO fazer gráficos, vídeos ou passo a passo das peças que aprender com minhas aulas sendo proibida a venda ou distribuição, ainda que gratuita, por qualquer meio de divulgação.
NÃO É PERMITIDA a venda ou distribuição das minhas aulas em nenhuma hipótese. Para divulgar faça referência ao link da aula em meu canal no youtube ou ao post do blog.
NÃO É PERMITIDO usar as minhas fotos ou imagens. Faça a peça ensinada por mim e fotografe. Assim seu trabalho vai ser muito mais valorizado e você não vai estar cometendo um crime (plágio).

Respeite meu trabalho para que eu possa continuar ensinando minhas criações de crochê a vocês!

Obrigada! 💙